Chef Juliana Faingluz assume a cozinha do restaurante Marimari

Chef gaúcha, com passagem pelos premiados Dom, Maní e Kith, imprime modernidade à cozinha local amazonense

Ingredientes e sabores amazônicos com técnicas internacionais. Culinária variada com um toque autoral. Essa é a proposta do restaurante Marimari, localizado no Pátio Gourmet, em Manaus, capital amazonense. Agora, à frente da cozinha está a experiente chef gaúcha Juliana Faingluz (ex-Maní, DOM, La Brasserie Erick Jacquin, em São Paulo, e internacional, nos premiados Quique Dacosta, El Celler de Can Roca e Hotel Maher, na Espanha). Juliana aposta na churrasqueira como grande estrela do menu. Do braseiro, às vistas do cliente, saem, na hora, peixes de rio amazônicos (tambaqui, pirarucu, tucunaré, pacu), cortes especiais de carne e também legumes tostados. 

Com uma incrível diversidade de peixes de rio e ingredientes exclusivos, a culinária manauara mostra suas diferenças em relação a outras cidades da região Norte. Reúne a tradição local de raízes indígenas, criações europeias e africanas, além de componentes levados pelos imigrantes japoneses, libaneses, italianos, entre outros, assim como pelos nordestinos que migraram para a região na época do ciclo da borracha. O menu do Marimari traduz toda essa efervescência cultural. “A culinária amazonense é, talvez, a mais nacional das cozinhas brasileiras. A culinária da Amazônia, a praticada no Pará e mais especificamente em Belém, ficou mais conhecida no resto do país e internacionalmente. Senti que faltava divulgar as peculiaridades da cozinha de Manaus, por isso vim para cá, para ajudar nesse processo”, explica a chef Juliana Faingluz. Além da cozinha do Marimari, Juliana assina também os menus da rotisserie e da padaria do Pátio Gourmet. “A culinária paulistana sofreu demais com a crise do coronavírus e não via mais em São Paulo o espaço para a experimentação que Manaus tem hoje”, complementa.

Nesse desafio, a chef teve o cuidado de aliar ingredientes frescos e locais com um toque de contemporaneidade no Marimari. Para começar, no almoço, pastrami caseiro (feito com o peito e da costela do boi) servido com picles e mostarda Dijon ou a salada de grão de bico com pirarucu (o bacalhau da Amazônia), focaccias e pães artesanais. Aqui e ali, pratos que evidenciam raízes indígenas, como a farinha de Uarini, a pratos internacionais, como massas frescas da casa, como capellini com creme de parmesão trufado ou o cavatelli com molho pomodoro e camarões na brasa com limão siciliano. O peixe amazônico matrinxã é assado e servido com farofa provençal, com ervas da região. Nas sobremesas, clássicos da confeitaria reinventados, como o cone de chocolate com sorvete de cupuaçu e nibs de cacau selvagem, mil-folhas de cumaru, no lugar da baunilha, ou macarons de cacau, taperebá e cupuaçu. No jantar, à la carte, que em breve inaugurará no Marimari, a chef reúne pesquisa de ingredientes locais a técnicas internacionais e prevê homenagens até aos vizinhos venezuelanos, com as versáteis arepas (pães feitos com milho moído).  Para harmonizar, refrescos com ingredientes locais, como soft-drink de camu-camu, uma deliciosa e supersaudável fruta local, chopes artesanais e uma ampla carta de vinhos da Enoteca Pátio Gourmet com 600 rótulos, sob o comando do sommelier Alexsander de Oliveira (ex-Grupo Troisgros, e prêmio de Sommelier do ano, em 2015, pela revista Prazeres da Mesa).

O Marimari oferece, num único espaço, uma experiência gastronômica completa. Em sistema de bufê com uma grande bancada gourmet, há estações de entradas, grãos, molhos, queijos e charcutaria; saladas; acompanhamentos quentes e frios; massas frescas e o braseiro, com peixes locais e cortes especiais de carne. Além disso, ilha com sushiman e também forno de pizzas ao estilo napolitano, individuais. O diferencial é a massa, de preparo artesanal, com fermentação longa e natural de 48 horas. Dentre as inovações da chef para o menu de pizzas, destacam-se: Hit Marimari (molho de tomate, parmesão faixa azul e pimenta preta moída na hora) e Nossa Marinara (molho de tomate, alho laminado, azeite de oliva extravirgem e folhas de manjericão). De massa finíssima, virou um hit não só do delivery e do take away na pandemia, mas também do almoço.

Estando em Manaus, lugar imperdível!

Marimari Restaurante l Pátio Gourmet

www.patiogourmet.com.br
Endereço: Av. Via Láctea, 825
Morada do Sol – Manaus– AM – CEP: 69057-065
Tel.  92 99104-2648
Não aceita reservas. Delivery pelo iFood e retirada no local (take away).
Email: marketing.marimari@patiogourmet.com.br
Capacidade: 100 lugares.
Horário de funcionamento: Todos os dias, inclusive feriados, das 11h30 às 15 horas.

5 bons motivos para visitar a Amazônia pós pandemia.

Blue-and-Gold Macaw

Sobram motivos para incluir a Amazônia em sua wish-list pós-pandemia. Além da vantagem de ser um destino de natureza, isolado de grandes centros, o bioma abriga em seus domínios a maior e mais diversificada biodiversidade do mundo, com incontáveis espécies para se observar, paisagens de tirar o fôlego e uma série de outros predicados.

Confira, portanto, 5 bons motivos que justificam uma visita à Amazônia quando tudo isso terminar. Os outros você pode descobrir lá…Confira:

– Reconexão com a natureza

Quando tudo isso passar e os deslocamentos voltarem a ser liberados pelas autoridades, encontrar um cantinho no meio da natureza será a prioridade de muita gente. Nada melhor, portanto, que um destino como a Amazônia. Pode parecer clichê dizer, mas caminhar entre as árvores de um bioma tão rico e único é uma incrível experiência de reconexão com a natureza, principalmente depois de ficar tanto tempo preso em casa.

Proximidade

A retomada do turismo deverá ser gradativa pós pandemia. E na impossibilidade de grandes deslocamentos, sobretudo em pontes aéreas muito longas e distantes, o turismo nacional deverá ser uma tendência. Tendo isso em mente, a Amazônia acena favoravelmente como opção. Cerca de 60% de todo o território brasileiro é ocupado por este rico e encantador bioma, que se faz presente em oito estados brasileiros diferentes. Ou seja, dependendo do ponto de origem, o coração verde do Brasil pode estar mais perto do que se imagina.

– Atividades enriquecedoras

A Amazônia oferece uma grande variedade de experiências, como trilhas pela mata, passeios de barco, banhos de rio, observação de aves, mamíferos e muito mais… a lista é enorme. A experiência é enriquecedora.

– Biodiversidade

São mais de 30 mil espécies de plantas e incontáveis aves, mamíferos, répteis e peixes para serem observados em toda a Amazônia. Ver e estar perto, aprendendo um pouquinho mais sobre os costumes de todas essas formas de vida pode ser extremamente gratificante e benéfico

– Gastronomia

Espere por sabores únicos ao provar a rica e variada gastronomia amazonense, feita geralmente com ingredientes locais e da estação. A grande estrela da mesa normalmente é o pescado, que além de fresco, é preparado de diferentes formas ao longo dos estados que abrigam o bioma amazônico. Outros insumos, como o tucumã, também tem o seu brilho ao estar presente em muitas receitas, sobretudo na região norte do país.

E ai, deu vontade de ir?