Livro sobre Cozinha Pantaneira é lançado pela Documenta Pantanal.

Cozinha Pantaneira: Comitiva de Sabores“, do pesquisador e chef sul-mato-grossense Paulo Machado, acaba de sair da gráfica. Com textos de Cristiana Couto e fotos de Luna Garcia, o título soma-se ao portfólio da iniciativa ‘Documenta Pantanal’, que, de acordo com sua diretora executiva, a produtora Mônica Guimarães, “mantém-se fiel ao seu objetivo de promover esse importante ecossistema do planeta por meio de diferentes linguagens, inclusive a culinária”, diz.

Nesse sentido, o título, com 180 páginas (BEĨ Editora) faz um mergulho nas raízes da cozinha pantaneira, apresentando ao leitor 65 receitas selecionadas por Machado e preparadas por ele e outros chefs do Centro-Oeste. Dividido por temas variados – como “Comidas de Comitiva”, “Comidas de Festa”, “Comidas de Fazenda”, “Comidas da Cidade”, “Comidas do Mercadão” e “Cozinha Indígena”, – o livro, segundo Machado, reúne pratos doces e salgados e começou a ser concebido há quase 15 anos, após um período de estudos e trabalho na Europa.

“Quando voltei, trouxe na bagagem a compreensão de que para se trabalhar alta gastronomia é necessário conhecer a cozinha regional de cada local. Cheguei com uma vontade ávida de pesquisar a minha gastronomia, da região onde nasci, e tive ainda mais sede quando percebi que havia ainda muito por desbravar. Após dois anos de intensa pesquisa comecei a conhecer de perto a identidade da cozinha pantaneira”, afirma.

Para exemplificar essa culinária rica em influências as mais variadas – vindas do campo, das áreas alagadas e das aldeias indígenas (das etnias terena e guarani, por exemplo) -, Machado destaca algumas das receitas que ilustram a diversidade de ingredientes utilizados no cotidiano pantaneiro. Entre elas, o Bolo Souza – famosa chipa frita, que é uma das delícias encontradas nas feiras e nos mercados das principais cidades da região -, o revigorante caldo de piranha, a saltenha – uma das deliciosas refeições pantaneiras que chega por meio da influência boliviana -, as iscas de jacaré, o macarrão de comitiva e, entre as sobremesas, os tradicionais doces de abóbora em calda e de leite.

“Este trabalho representa não só uma realização pessoal, mas, também, uma contribuição enquanto preservação e resgate da autêntica cultura gastronômica do Pantanal”, diz o chef. “Em uma época em que o Pantanal está em evidência por um motivo repugnante, como as queimadas, sofrendo as agruras da pior seca dos últimos tempos, lançar este livro evidenciando nossa cultura e registrando saberes de tanto valor nos dá um alento para seguir em frente”, complementa.

Nesse sentido, o de contribuição para a preservação da cultura regional, a chef Mara Sales não apenas endossa as palavras de Machado, como complementa ao assinar o prefácio: “Nesta obra, em que nada se desperdiça, o autor contribui para provocar a sensação desse pertencimento. Conhecedor e grande entusiasta da cozinha do seu bioma, ele apresenta um livro urgente e necessário sobre a comida do Pantanal e suas fronteiras, sobre o pantaneiro e suas histórias”.


SOBRE O CHEF PAULO MACHADO

Profundo conhecedor da gastronomia latino-americana, Paulo Machado é formado em Direito e Gastronomia e estudou no programa de cozinha francesa do Instituto Paul Bocuse, na França. Mestre em Hospitalidade, fundador do Instituto Paulo Machado em Mato Grosso do Sul, trabalhou em restaurantes da Europa e do Brasil. Dá aulas de gastronomia e já esteve em 56 países, sendo que em 15 deles promoveu Festivais de Cozinha Brasileira. Em 2015, recebeu o Prêmio Dólmã de Melhor Chef na categoria nacional. Em 2017, sua marca “Brasil FoodSafaris” recebeu o prêmio Braztoa/Sebrae de melhor startup em turismo do Brasil. Machado foi colaborador da revista Menu e colunista na rádio CBN Campo Grande. Integra, ainda , o Slow Food, projeto Cumari e o grupo de Cozinhas Regionais da América do Sul. Ensina receitas e curiosidades da alimentação em seu canal do YouTube (Chef Paulo Machado) e escreve no blog www.brasilfoodsafaris.com.

(serviço)

COZINHA PANTANEIRA: COMITIVA DE SABORES

Editora: BEĨ Editora

ISBN: 978-65-86205-02-2

Preço: R﹩ 80

Grand Hyatt SP promove 4o edição do Chef’s Table.

Evento trará uma mistura contemporânea entre Amazonas, São Paulo e Bahia sob o comando dos chefs Pedro Siqueira, Felipe Schaedler, Fabrício Lemos e Lisiane Arouca.
Em uma conexão perfeita entre Amazonas, São Paulo e Bahia, a 4ª edição do Grand Taste – Chef’s Table trará para o Grand Hyatt São Paulo nos dias 4 e 5 de dezembro dois jantares repletos de sabores do Brasil. Quem assinará os cardápios da vez são os chefs convidados Pedro Siqueira, Felipe Schaedler, do restaurante Banzeiro, e Fabrício Lemos, do Origens. Já a criação da sobremesa, ficará a cargo da chef confeiteira Lisiane Arouca.

Com um menu contemporâneo de cinco tempos e para um número limitado de pessoas, os especialistas criarão pratos como atum com farofa de cuscuz, camarão, baião de dois, caldo de lambreta com cúrcuma, língua de vaca e muitos outros, em duas noites cheias de sabor, aroma e muitas sensações com o toque especial de cada chef.

O Chef´s Table já está à venda pelo site pacotes Hyatt e acontece a partir das 19h30, no Espaço EAU. O valor do jantar em cinco etapas é de R$ 180 reais por pessoa.

Durante o jantar será respeitado o distanciamento social e tomadas todas as medidas de segurança já aplicadas pela rede globalmente para preservar a saúde de hóspedes, visitantes e colaboradores.

Serviço:

Grand Taste | Chef’s Table

Datas: Sexta, 4 de dezembro e sábado, 5 de dezembro

Horário: 19h30

Local: Espaço EAU Grand Hyatt São Paulo

Endereço: Av. das Nações Unidas, 13301 – Itaim Bibi

Valor: R$ 180 por pessoa

Lugares limitados devido ao distanciamento social

Chef Carioca Ricardo Brasil ministra workshop de Afroveganismo.

O Afroveganismo é um movimento gastronômico que visa popularizar o veganismo para a comunidade negra. Um dos embaixadores dessa causa é o Chef carioca Ricardo Brasil, que enfatiza que o movimento é uma atitude política, não um estilo de comida. Ele ministrará no CASA VOGUE Experience, evento de decoração e design que materializa o lifestyle do conteúdo publicado pela CASA VOGUE em uma casa real, um workshop sobre o tema, e ensinará pratos seguindo os preceitos do movimento.

Ricardo nutre seu corpo, mente e espírito por meio da conexão com a natureza, e encontra nela, em sua ancestralidade e estudos, os elementos para falar sobre o tema. “A minha cozinha é orgânica e natural. Comida de verdade. Comida saudável. Porque acredito que se manter vivo e saudável é uma forma de revolução para povos marginalizados. Acredito que uma população que só tem acesso a uma comida pobre em nutrientes é vítima de nutricídio. Afroveganismo é o conceito político do meu trabalho”, finaliza.

O workshop integra a programação da edição 2020 do Casa Vogue Experience e acontece na quarta-feira (02/12) às 15h, com transmissão via redes sociais (@casavoguebrasil) e site da revista Casa Vogue. Confira a programação completa do evento em https://glo.bo/37d2HHh

Paraty anuncia Festival Gastronômico em dezembro.

A charmosa cidade de Paraty, acostumada a receber eventos e festivais, teve de rever seu calendário cultural neste 2020 atípico. A agenda foi adaptada à nova realidade e aos protocolos de segurança, dentro do programa “Paraty Espera Por Você”. Edições online foram sugeridas pelos próprios organizadores, diante das dificuldades logísticas e o risco representado por possíveis aglomerações.

Entre as boas notícias, o fim do ano chega temperado com o Festival Gastronômico de Paraty, que acontecerá presencialmente, de 4 a 6 de dezembro. A produção do Festival planeja um evento enxuto, com foco na participação online dos chefs convidados, e investir no circuito Gastronômico nos restaurantes, que vão preparar pratos especiais e temáticos.

Para esta edição, o tema é “Raízes”, no sentido literal da palavra: mandioca, batata doce, cenoura, beterraba, taioba de dedo…entre outras, mas também um motivo para explorar a base da identidade culinária local. Além dos tradicionais pratos especiais nos mais de 30 restaurantes participantes do Circuito, o evento terá aulas-show na Capelinha N.S. das Dores, um dos cartões postais de Paraty.

Participarão ainda os produtores locais, os chefs da cidade e os tradicionais artesãos, valorizando as razões pelas quais Paraty recebeu o título de Cidade Criativa e Patrimônio da Humanidade pela Unesco.  “Será um evento para saborear, em todos os sentidos, tanto pelo tema, raízes, como pela força de transformação que o setor gastronômico sempre teve e terá na nossa sociedade” diz Georgia Joufflineau, uma das organizadoras do Festival.

Villa Romana – Um novo conceito de hospedagem

Você já teve a sensação de se hospedar em um lugar onde você literalmente se sentiu no paraíso? O Villa Romana, da proprietária Erica Viana, em Búzios, poderá lhe proporcionar esta alegria. Os dias que passei em sua Guest House foram de total contribuição para o meu bem-estar físico e emocional.

E como contribuiu? Primeiramente a localização, de cara pude contemplar um cenário maravilhoso em seu deck. A Villa fica na Praia do Canto, que abriga casas e mansões por toda a sua extensão. Tem uma estreita faixa de areia fofa e as águas do mar são geralmente quentes. Sempre começava meu dia após uma caminhada na Orla Bardot dando um belo mergulho no mar, sem pressa. É algo que valerá muito a pena enquanto estiver hospedado por lá. Mas se a sua pegada é fazer compras, ir a restaurantes e bares, a Guest House está a 100 metros da famosa Rua das Pedras, um dos cartões postais mais famosos de Búzios.

A antiga casa de pescadores, foi pensada por um arquiteto italiano que conseguiu realizar o sonho dos proprietários: um lugar todo de paredes e móveis brancos, clean, minimalista, recheado com obras de arte, e que remetesse às casas de veraneio gregas e italianas. Eu gosto muito deste tipo decoração, despretensiosa mas com estilo. Logo na entrada você dará de cara com uma grande sala arejada, onde os hospedes poderão tomar seu café da manhã, receber visitas ou até mesmo socializar com os outros visitantes. Erica é uma das pessoas mais gentis que conheci durante todos os meus anos de hospitalidade. Não hesite em conversar com ela quando estiver com tempo livre, ela é uma ótima contadora de histórias e uma profunda conhecedora da cidade, era sempre um prazer tê-la por perto. Além disso, é ela mesma quem irá te servir o aconchegante café da manhã. O café proposto é algo simples, mais muito eficaz e saboroso: frutas, um bolinho feito em casa, pães, suco, frios e um cafezinho passado na hora. Não existe na Villa serviço de restaurante, mas a Erica é uma ótima cozinheira e se você pedir com jeitinho, ela pode preparar um delicioso almoço ou jantar para você.

A casa possui 5 suítes, todas com ar condicionado, closet, TV, Wi-Fi e uma cama King Size. Em cada quarto há um pouco da história da anfitriã, que há 5 anos converteu a propriedade particular em uma casa de acomodação: objetos de arte, quadros, móveis antigos e estátuas romanas. Tudo na casa desperta a curiosidade, a cada dia era uma nova descoberta para mim!

Ver o pôr do sol da varanda pode ser uma experiência maravilhosa em um dia de céu azul. E tomar vinho na beira da piscina contemplando uma noite estrelada certamente será algo interessante. O legal daqui é que você pode ter experiências sem precisar sair de casa. Ah! E toda a equipe está sintonizada com os protocolos de segurança devido à pandemia.

O Villa Romana é bacana porque irá te proporcionar cenários idílicos e inesquecíveis. Quando saí de Búzios tudo começou a fluir melhor em minha vida e esta calibração certamente acontecerá na sua também. Vale a visita!

Serviço

Villa Romana
Rua Maria Joaquina 170 – Praia do Canto – Búzios – RJ
Contato: villaromanabuzios@gmail.com
Instagram: @buziosvillaromana
Diárias: R$400,00 (em Novembro de 2020)