Vito: Gastronomia italiana de excelência.

Há muito tempo eu queria conhecer o Restaurante Vito, aqui em São Paulo, mas por fim o destino desejou que fosse só esta semana e ainda bem que ele foi camarada, pois toda a minha intuição se transformou em uma agradabilíssima surpresa.

As surpresas começam pela casa charmossérrima, Desde a porta da entrada você irá se encantar com seu décor intimista e acolhedor. O restaurante quis trazer para seu interior a hospitalidade amigável da Vila Beatriz, que tem aquele jeitão antigo e já raro em São Paulo. Outra curiosidade é o nome do restaurante italiano, que foi uma brincadeira com o nome da rua na qual ele está situado e com o filme favorito de um dos donos do lugar, O Poderoso Chefão, of course!

Quem comanda as panelas atualmente é a talentosa chef Daniela Malavasi, que trouxe brilho à clássica gastronomia italiana com toques pessoais acima da média e novos significados a esta gastronomia tão familiar e acolhedora.

Iniciamos nosso jantar com a estonteante Torta di Pomodoro (R$23,00), feita com tomates, anchovas e gelatto de azeite. Eu simplesmente amei esta torta de massa folhada muito delicada. Confesso que quando a vi, fiquei apreciando aquele colorido brilhante dos tomates e reparando nos detalhes das camadas da massa, onde eles estavam acolhidos, e sinceramente achei que na primeira garfada tudo iria explodir no prato e virar algo insosso. Engano meu, na primeira garfada esta sinergia de texturas e sabores intensos explodiu sim, só que foi na minha boca, provocando uma sensação deliciosa de frescor em meu palato, com a ajuda do sorvete de azeite que acompanhava. Não pense duas vezes em comer esta entrada, se você é super fã de tomates. Sem contar que ela chegou com o melhor dos visuais, de comer com os olhos!

Outra entradinha para comer com as mãos e que vai abrir seu apetite é o Tonno (R$10,00), atum curado, creme azedo e ervilha com wasabi. Combinação acertadíssima e perfeita para um dia de verão, onde tudo que se quer são comidinhas com ingredientes leves, frescos e aromáticos. O selamento do peixe estava firme e deu liga com o creminho azedo e a crocante ervilha picante. A bolachinha fina e crocante, tinha sabor parecido ao das bolachas cream cracker.   

Resolvi de última hora pedir um dos clássicos da gastronomia italiana que eu mais curto: Spaghetti a Carbonara (R$49,00). Ele chega lindo à mesa, cheiroso e com a mais autêntica aparência possível de um bom prato de macarrão, até que eu dei a primeira garfada e senti o sabor peculiar e intenso do azeite trufado, que mais uma vez foi o vilão da história e camuflou todos os outros ingredientes. Tentei, tentei até que na quarta garfada desisti, porque não sentia nada mais na minha língua, além do sabor do azeite. Totalmente dispensável nesta receita.

                                                                                                                                      

Para compensar, pedi o Polvo com salada de feijões com chorizo e gremolata de laranja (R$49,00). Inacreditável como este molusco entra numa receita como o protagonista perfeito. O sabor cítrico da laranja deu uma liga agridoce muito interessante com a salada morna dos variados feijões, que estavam com uma textura firme. Sobre a salada um polvo aberto, farto e bem cozido. Uma receita que foi além das nossas expectativas, e seu visual era lindo!

Mas o meu eleito da noite, quando ovacionei e joguei todas as flores, foi para a receita da Porchetta da casa (R$57,00), guarnecida com cuscuz e ruqueta. Sem exageros, a daqui será um divisor de águas na sua vida palatina, sem contar que a maestria da chef se evidenciou para mim neste prato. As fartas fatias rosadas da carne suína vieram perfeitamente fritas e suculentas, servidas com uma camada absolutamente crocante da pele, guarnecidas com um úmido e colorido cuscuz e coroada por pequenas fatias de ruqueta, cuja adstringência deram equilíbrio à receita. E vale mencionar que serve tranquilamente duas pessoas, imperdível!

E no menu você também vai encontrar maravilhosas sobremesas. Uma delas me encantou pela simplicidade e textura cremosa: Torta di Cocco (R$20,00), um bolo gelado de coco com cobertura de marshmallow e coco fresco. Quem ama esta fruta, como eu, irá amar este bolo úmido, saboroso e açucarado na medida. A cobertura do confeito fez o contraponto interessante, ah e sua temperatura beirava a perfeição. Amamos!

Serviço gentil, preços camaradas, luz ideal e muitas boas opções para os comensais assíduos da nova cozinha italiana. Um lugar para se voltar sempre, minha alma italiana agradeceu a experiência!

Serviço

Vito Restaurante
Endereço:
R. Isabel de Castela, 529 – Vila Madalena – São Paulo – SP

Horário:
segunda-feira a quinta-feira – 12:00–15:00, 19:00–23:00

sexta-feira – 12:00–15:00, 19:00–00:00
sábado – 12:00–17:00, 19:00–00:00
domingo – 12:00–17:00
Telefone:
(11) 3032-1469

Crédito Imagens: Roberto Salgado

Restaurante oferece curso para assíduos do churrasco argentino.

Achei tão bacana a iniciativa deste restaurante que resolvi compartilhar esta experiência por aqui, afinal quem nunca precisou de uma aula speed na arte de queimar uma carne, confesso que eu mesma precisava deste aprendizado, que pode parecer fácil, mas não é!

O restaurante argentino Estação Leopoldina, na região do ABC, está oferecendo um curso inédito de Mestre Parrillero. A aula prática irá revelar alguns truques do autêntico churrasco argentino, e os alunos terão a oportunidade de conhecer e experimentar todos os cortes disponíveis na casa. O curso capacita o participante a diferenciar os tipos de carnes e identificar cada corte, além de adquirir noções básicas da carta de vinhos e nutrição.

O workshop tem três horas de duração e é dividido em Antes da Grelha, Na Grelha e Depois da Grelha. Entre os temas abordados estão posicionamento da grelha, ponto da brasa, ingredientes para tempero, tempo de salga e sugestão de montagem de churrasqueira.

Os próximos cursos de curso Mestre Parrillero serão oferecidos nos dias 26/02, 19/03 e 09/04, sempre às 19h. As aulas são em grupos e tem o valor de R$ 200,00 por pessoa, inclui bebidas e apostila. As inscrições devem ser feitas através do e-mail contato@estacaoleopoldina.com.br ou pelo telefone (11) 2564-7445.

Serviço: Curso Mestre Parrillerro
Datas: 26/02, 19/03 e 09/04
Horário: das 19h às 22h
Valor: R$ 200,00 por pessoa
Informações: (11) 2564-7445

Nostálgico Grand Mercure.

O primeiro detalhe que me agrada neste hotel é a sua localização, O Grand Mercure está apenas há 1 km do Parque do Ibirapuera, o que possibilita uma agradável mudança de ambiente já que estamos falando de um hotel que está localizado numa das regiões mais movimentadas da Capital Paulista.

O segundo detalhe é a sua gastronomia, logo na entrada você avistará uma das Pâtisseries francesas mais sedutoras de São Paulo, o Boulangerie é quase que um convite irrecusável. Principalmente os hóspedes não devem deixar de provar um de seus doces, folhados e salgados. As mesas do lado de fora dão o clima de um autêntico boulevard francês, onde você poderá saborear um reconfortante café com um mil-folhas, que é considerado pelos entendidos – e eu me incluo nesta – o melhor em um raio de milhares de quilômetros até Paris. O docinho francês daqui simplesmente não desmorona, massa de confeiteiro perfeita e envelopado de açúcar na medida.

Mas você também pode levá-lo para um dos nostálgicos quartos que o hotel oferece; sua mobília ainda é a mesma dos tempos áureos do antigo hotel, ocasionando um clima vintage no espaço. Também é oferecida tecnologia de ponta o que torna a nossa estadia muito confortável, principalmente se você estiver ali a trabalho. A marca em 2017 implantou o conceito de brasilidade em todos os hotéis, então no seu quarto estará à disposição cafezinhos Orfeu (que também poderá ser tomado no hall do hotel e será coado na hora) e no seu banheiro você encontrará produtos da marca L’Occitane feitos à base de Capim Santo. Provei e gostei, senti uma profunda sensação de frescor, não somente em mim, mas em todo o meu quarto. Resumo, relax total!

Mas voltemos à gastronomia, durante o jantar não dispense conhecer o restaurante do hotel, o P. Verger, que fica localizado no Piso L2. O ambiente é Black and White, com alguns toques avermelhados, todo os objetos do décor são uma homenagem ao acervo do fotógrafo francês Pierre Verger. O menu também foi inspirado nele e nas regiões que ele conheceu durante sua visita ao Brasil, um charme! O menu é bacanérrimo, e me encantei com duas receitas do chef, o Tomate assado com queijo serra da canastra, pesto de castanhas e redução balsâmico e mel (R$30), uma delicadeza fresca e com sabores distintos que engrandeceram a simples fruta. A segunda maravilha da noite foi a Picanha, com vegetais assados, tomate curado e aioli de mostarda (R$67), a carne no ponto perfeito e todo o restante davam um equilíbrio sedutor ao prato. Eu adorei ter conhecido este restaurante e ele pode ser visitado pelos curiosos da gastronomia hoteleira. Vale a visita!

Tem piscina gostosa, mas estava chovendo o final de semana que fiquei hospedada e por isso, infelizmente,  não deu para curtir. Tem Spa também, mas os horários são bem limitados e não atendem aos domingos, o que ocasionou certa frustração momentânea.

Serviço gentil, onde a preocupação contínua é o relaxamento e bem-estar de seus hóspedes. O Grand Mercure é um lugar cheio de energia, que inspira você a sair de lá renovada para as grandes experiências da vida. Adorei!


Serviço
EndereçoRua Sena Madureira Bloco 1, 1355 – Vila Clementino, São Paulo – SP, 04019-000
Telefone: 11- 3201-0800
Site: http://grandmercure.com.br/
Diárias a partir de R$500

Empório São Pedro, um bálsamo ao palato!

Esta semana fui visitar um dos lugares mais interessantes na arte de se comer bem que a cidade de Embu das Artes pode oferecer aos seus visitantes. O Empório São Pedro, que já existe há 23 anos em uma das ladeiras mais charmosas da cidade, te levará a uma viagem ao tempo. Cada detalhe da pequena casa, suas mesas, quadros e outros objetos que pertenciam ao antigo antiquário que ali existia anteriormente, se integram sutilmente e formam um bonito cenário para os almoços de finais de semana. Infelizmente o Empório não abre para o jantar, o que é uma pena, pois já tive o privilégio desta experiência e foi inesquecível. Outra notícia triste é que você não poderá pagar sua conta com cartão de crédito, somente em débito ou dinheiro, vá preparado!

Quem assina o menu é o chef e proprietário da casa Guilherme Manuel, eu tive a sorte de ser recebida por ele, sua presença não é constante na cozinha, mas não se preocupe sua sous-chef, a Juliana Manfrinato dá conta e muito bem do recado e sua equipe está toda alinhada com a filosofia da casa!

Eu raramente sugiro o Couvert (R$28,00) de algum restaurante que eu visito, mas o deste empório é algo instigante, colorido e aromático, algo incomum quando se trata de couvert, que no geral é sempre uma cestinha de pães, alguns patezinhos e manteiga. Aqui você encontrará pães caseiros feitos na hora, caponatta artesanal e aromática, salada assada, tomate seco, alichella, sardela, manteiga aromatizada feita com a fruta da goiaba (eu não conseguia parar de comê-la) e alho confitado. Tudo chega em equilíbrio de texturas, sabores e aromas. Sem contar o detalhe da louça onde é feita a composição. Sem exageros eu voltaria apenas para tomar um copo de vinho tinto com esta maravilha de entrada. Não hesite em prová-la!

O menu tem muitas entradinhas para se comer com as mãos, se possível não dispense o Arancini do Empório (R$29/06uni), que nada mais é uma releitura do risoto da casa em versão petisco. Textura levemente areada, úmida, o recheio de queijo gorgonzola fresco além de intensificar o sabor do arancini, lhe reservará uma surpresa na primeira mordida e que deixará tudo com outro significado, algo que traz delicadeza ao bolinho, mas eu não irei contar para não estragar o mimo.

Tivemos a sorte de provar uma receita sazonal do chef Raviolone com gema de ovo, recheado com queijo brie e ricota, aspargos frescos com molho de cogumelos porcini (R$39,00). Uma receita primorosa, onde a gema foi trabalhada pelo chef de forma paciente, deixando-a no ponto exato, firme e levemente molinha por dentro, respeitando cada ingrediente que juntos causavam uma explosão de sabores e texturas. Um primor! Se o chef estiver na cozinha peça, ele fará para você.

Entre os pratos principais, os italianos fartos são os que reinam desde sempre no menu da casa, provei o Nhoque de mandioca com rabada desfiada ao molho de tomate fresco e ervas do jardim (R$59,00), massa macia, molho bem encorpado que criava uma sinergia balsâmica com a carne cozida em fogo lento que desmanchava na boca. Se você busca uma receita genuinamente italiana, está aqui irá de encontro ao seu desejo.

Para quem quer fugir das massas, o Filé Mignon grelhado e servido com gateau de batatas e molho de pimentas (R$71,00) é uma decisão acertada. A carne é um desafio para qualquer carnívoro (a), ela vem em uma posta bem alta, um corte impecável e chega à mesa perfeitamente no ponto e sua maciez me surpreendeu, o molho apimentado só enalteceu a receita. A guarnição feita de batatas neutralizou o prato, nada demais, mas que ocasionou um bom dueto com o protagonista.

Ainda tivemos fôlego para provar o Souflê gelado de licor Grandmarnier com laranja confit e canela (R$25,00). Há anos eu provo esta sobremesa aqui e ela continua reinando no menu. A combinação de sabores e texturas são de uma delicadeza intensa sem igual.

Lugar aconchegante e encantado, serviço gentil e um menu repleto de agradáveis surpresas comestíveis. Visitar esta casa é dar a sua alma um belo motivo para “fugir”, mesmo que por algumas horas do frenesi da Capital Paulista. Sempre saio feliz daqui!

Serviço
Rua Siqueira Campos – Viela das Lavadeiras, casas 28 e 75 (20,06 km de SP)
Embu / SP
Aberto de quarta a domingo das 12h as 17h
Telefone: (11) 4781-2797

Crédito Imagens: Roberto Salgado

 

Renata Vanzetto inaugura Matilda, em São Paulo.

E a quaresma chega com boas novidades! A chef Renata Vanzetto, abriu as portas recentemente de mais um espaço gastronômico na cidade, Matilda Lanches, um lugar pensado para os amantes de bons e criativos sandubas.  A proposta da casa é ser bastante informal, acessível e divertido. O espaço tem 50 metros quadrados e abriga uma pequena cozinha, com chapa e fritadeira abertas para os clientes, e salão com apenas 25 lugares. Lá a galera faz seu pedido no caixa e aguarda para retirar no balcão. A diversão fica por conta do nome. Segundo Renata, Matilda é uma personagem, uma menina feliz, um pouco acima do peso, divertida e de bem com a vida e com o que come.

No menu, lanches, burgers, batata frita e milk shake. Algumas das criações da chef para a nova casa são o Cheddar Burguer, com disco de 120g de costela com cheddar derretido, maionese spicy, bacon, cebola caramelizada e agrião no pão de hambúrguer de brioche (R$ 27), o Matilda Vietnamita  com frango desfiado no molho oriental, palitinhos de cenoura, maionese caseira, folhas de coentro, pimenta jalapeño em conserva, pink pickles na baguete (R$ 22), Hot Mama com filé crocante , molho de tomates picantes, rúcula selvagem, queijo derretido na baquete (27) – com opção vegetariana com berinjela à milanesa, e Romeu e Matilda, que leva pancetta suculenta no barbecue de goiabada ,queijo e  agrião no pão de brioche (R$ 27). Sucesso no EMA, o Crazy Crispy Chicken, frango crocante, maionese de beterraba, picles de couve flor no pão brioche (R$ 23) aparece na   versão adulto, ou melhor, maior, e também como opção vegetariana com abobrinha na farinha panko. Para os veganos tem Veganíssimo, um hamburugers de brócolis, maionese vegana de avocado, cebola caramelizada, picles de pepino, alface e tomate (R$ 27). Não veganos podem adicionar queijo.

O cardápio ainda oferece salada chamada Super Bowl com folhas, cenoura, rabanete, avocado, couve flor, moyashi  picles, tomate,  crocante de pão e sour cream. Para acompanhamentos há Batata frita com maionese da casa (R$ 12), Batata doce rústica quebrada com louro e alho e maionese spicy (R$ 14), Bolinha frita de tapioca quejuda (R$ 15 – 6 unidades), Nâguetizzz de frango na farinha panko e sour cream (16) – 6 unidades e Quiabos na chapa com molho missô (R$ 10).

Para beber além de cerveja, água e refrigerante e os milk-shakes Matilda Larica (chocolate com calda de Nutella, R$ 18), Avokado (avocado e hortelã com calda de amora, framboesa e limão, R$ 18) e vegano Shake Shake, no milk baby  (de chocolate 70% com leite de amêndoas, R$ 26).

A identidade visual da lanchonete ganhará bastante destaque, com logo nas embalagens dos sanduíches, dos sucos, dos milk shakes, trazendo a Matilda de diferentes formas e com frases divertidas. As embalagens serão feitas com madeira de reflorestamento e serão recicláveis. 

Mais um lugar bacanérrimo em Sampa que cabe no nosso bolso, com a assinatura de uma das chefs mais descolada da cidade. Enjoy!

Serviço
Endereço: Rua Bela Cintra, 1541
Horário de funcionamento: De terça a sexta-feira, das 19h às 00h. Sábado das 13h às 16h e das 19h às 00. Domingo das 13h às 17h.