Conheça um pedacinho do Vietnã na Capital Paulista, o Bia Hoi SP!

Esta semana voltei a um dos lugares que achei mais legal ter surgido em nossa cidade maravilhosa, São Paulo, nos últimos tempos! O pub vietnamita Bia Hoi SP, tem tudo o que eu aprecio: Ambiente intimista, um maravilhoso balcão e gente bem-disposta a te servir bem. Quem traz este encanto de lugar para nós é minha amiga, a jornalista Dani Borges e seu marido Fernando Brito, ambos além de serem fãs incondicionais da exótica gastronomia vietnamita, são estudiosos do assunto, desde que visitaram o país pela primeira vez, já alguns anos atrás.

Iniciei meu jantar com o Mekong (R$20), incríveis asinhas caramelizadas. Eu que sou fã de um bom frango fritinho, nesta versão vietnamita as asinhas tenras ainda ficam mais sedutoras: sequinhas e com um sabor adocicado picante devido à presença intimista do gengibre, que faz a gente lambuzar os dedos até não sobrar mais nada. As folhas verdes de coentro dão aquele perfume fresco a receita, abrindo nosso apetite e nos convidando a caminhar neste novo universo gastronômico.

Agora se a sua pegada é uma versão mais leve e sem fritura alguma, reverencie o Goi Cuon (R$18) na versão vegetariana. São parecidos com um rolinho primavera, feito com verduras frescas e ervas aromáticas, você sentirá bem a presença delas, o mentolado da hortelã, o cítrico da cebolinha, o perfume do manjericão e o odor cítrico bem característico do coentro, misturados com delicados pedacinhos de cenoura, nabo e pepino. Em dias de verão, ele cairá como um balsamo em seu palato.

Para quem está como mais fome o Hoi An (R$40) barrigada de porco em infusão de capim santo com arroz de coco é uma ótima pedida, e depois que provei tive a certeza que vou virar cliente assídua desta receita. O corte desossado de carne gordurosa beirava a perfeição, veio mergulhado em um molho levemente amadeirado e de sabor forte, devido a presença do anis, coentro e da inconfundível canela que se chocava alegremente com o arroz craquelado feito a base do coco, que dava para sentir seu aroma chegando mesmo antes do prato estar a minha frente. Adorei esta sensação, quase rara em restaurantes contemporâneos. Se você aprecia carne suína, este prato vale muito!

Já o Saigon (R$41), uma barriga de porco assada, chega em tiras e a cada garfada desmanchavam em minha boca de tão macia que estava. Foi servida com arroz branco, saladinha de repolho e conserva de carambola. Tudo ia bem até que o molho forte, pronunciado e de textura encorpada deixou toda a receita com o mesmo sabor. Ficou tudo tão docemente carregado que infelizmente não deu para chegar até o final. Penso que a cozinha errou na mão, acontece!

Se o menu prioriza pratos costumeiros, as sobremesas trazem criações da própria cozinheira, como o curioso Ca Phé Mousse (R$ 18) que foi inspirado no típico café com leite condensado vietnamita, que traz creme de leite condensado sob uma aerada mousse de café. Leve e com um equilíbrio de sabores que não vai te pesar na boca.

O Bia Hoi é um pequeno pedacinho do Vietnã aqui em São Paulo e que vale muito a pena ser desbravado por aqueles que estão dispostos a buscar novos sabores para sua alma prazerosa, sem gastar muito por este passeio gastronômico!

Quero voltar!

Serviço:
Bia Hoi SP – VietPub
Endereço: Rua Rêgo Freitas, 516 – Vila Buarque
Telefone: 11 3151-2508
Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 12h às 14h30 e das 18h30 às 23h. Sábado, das 12h às 23h30. Domingo, das 12h às 17h.

 

Jantar Mistério: um jantar a ser desvendado!

Ontem eu e um grupo de jornalistas participamos de mais um daqueles jantares temáticos que a gente nunca sabe no que vai dar, e mesmo assim, a gente se atreve a ter coragem de vivenciar. Eu sou destas, adoro uma novidade, faz com que a gente retorne àquela humildade simples da vida… Eu que achava que já tinha experimentado de tudo, ontem à noite me deparei com algo novo e misterioso, e mais uma vez uma experiência “gastro-teatral” tomou conta de mim: boa comida, um jogo divertido, com ótima música em um clima lúdico.

Assim que cheguei no café Pérpetua, já não era mais Carla Palmieri, por duas horas fui Concetta Tovani (esposa de Gino Meneguetti, o homenageado da noite) uma mulher dramática, exagerada, esperta, cínica quando necessário e que por amor ao marido acabou sendo presa!). Em seguida sou convidada a participar de um jantar ambientado na década de 1950, que tem por objetivo a solução de um crime que acontece pouco antes de estarmos ali. Um suspense policial durante o jantar, quem diria?!

Eu, que sou a pessoa mais silenciosa do mundo no meio de uma multidão desconhecida, não parei nem por um minuto de levantar suspeitas, afinal eu era a viúva do pedaço! O lance é meio teatral, meio gastronômico, muito divertido e super original. Sem contar a delicadeza do serviço e dos condutores desta incrível jornada, o Eder e o Douglas, pessoas de quem você vai querer ficar amigo para sempre! Inesquecível

Ficou com vontade de dar uma conferida? Algumas dicas:

O maravilhoso Jantar Mistério, deve ser feito na casa de alguém para um grupo íntimo de amigos. A galera do teatro leva até um chef que irá cuidar da cozinha preparará algumas opções de entrada, prato principal e sobremesa. No meu jantar houve tomate assado recheado com cuscuz marroquinoboeuf Bourguignon e creme brullé. Ah, e antes do jantar ser servido, rola um coquetelzinho até todos os personagens da trama estarem reunidos em um só ambiente.

Este jantar só é possível ser vivenciado e apreciado, se tiverem no mínimo 10 pessoas.

Genial minha gente, super vale a brincadeira!

Para saber mais clica aqui!

Especial Giros: Cariocando à mesa!

Um tour gastronômico pela Cidade Maravilhosa.

E mais uma visita linda aconteceu no Rio de Janeiro. Fomos conhecer os novos points gastronômicos da cidade e, como sempre, todos contribuíram para algumas experiências palatinas inéditas. Compartilho com vocês alguns destes novos lugares e alguns motivos de sobra para vocês arrumarem suas malas e visitarem a Cidade Maravilhosa.

Dê uma olhada no que a gente fez por lá!

 Nolita

Nem sempre a gente está afim de visitar um novo restaurante localizado em um shopping, a sensação é um pouco de falta de autenticidade, de um cenário mais agradável, limpo e aberto… Mas quando eu visitei o Nolita, o primeiro ovenbar da cidade, durante o meu jantar, transcendi esta sensação e foi uma das minhas visitas mais agradáveis neste último tour carioca.

Aqui a cozinha brinca com os clássicos de duas cidades encantadoras: Nova Iorque e Roma. Para quem não sabe, Nolita é o nome de um bairro italiano na cidade americana. O lugar é pequenininho, mas muito aconchegante, e há uma reprodução do mapa da metrópole em seu décor. Eu não dispensaria o balcão, que além de ser agradável aos olhos, permite ficar dando uma espiadinha nos preparos daquele dia.

O que comer? Eu iniciei o meu jantar com o pão clássico da casa com Grana Padano, criado pelo expert Agaciano Rodrigues, que deixa a massa 100 horas fermentando para depois ser assada em forno a lenha. O resultado é um pão tão macio quanto uma seda, e muito aromático. Adiante, o espaguete a carbonara (uma de minhas receitas italianas preferidas), com massa fininha e saborosa combinação de especiarias, e um ovo pochê que beirava a perfeição. Ah, vale lembrar que a receita é bem encorpada, precisei de fôlego para ir até o fim. Outra sugestão imperdível é a pizza em formato de estrela, com borda levemente recheada. Minhas preferidas foram a Straciella, com queijo de búfala ao pesto, e a Nolita, de queijo brie, nozes e presunto parma. Sublime!

Se você ama açúcar e vive sem medo de calorias, tem que aproveitar a oportunidade e conhecer uma das sobremesas autorais do chef Felipe Appia. A Nuvem Nolita, dica para dividir, reúne sorvetes de brownie, morango, doce de leite, menta com chocolate e pistache com algodão-doce. Uma sugestão bacana: tome seu cafezinho de saída no belo bar externo, com blend exclusivo e máquina importada que grava fotos na espuma de leite.

Empolgante!

Av. das Américas, 3900 – Avenida das Américas – Barra da Tijuca
(21) 3003-4178

Laguiole Lab

Eu simplesmente adoro visitar um restaurante dentro de um Museu, que sensação maravilhosa você poder passear pelo universo das artes e da gastronomia em um mesmo espaço! Então quando vier conhecer o maravilhoso Laguiole Lab, comandado por um dos chefes mais criativos que tive o prazer de conhecer, já alguns anos atrás, em um dos meus primeiros giros gastronômicos no Rio de Janeiro: Ricardo Lapeyre. Venha com tempo suficiente também para se maravilhar com o MAM, lugar que carrega um acervo expressivo, singular e que encantará a sua alma.

O menu completo (R$150,00 – entrada, principal, sobremesa, chá, café e água) prioriza receitas sazonais com base na gastronomia francesa e matéria-prima fresca. Todo dia o chef vai lhe proporcionar uma experiência diferente, e que estimulará os seus cinco sentidos de maneira prazerosa, Lapeyre sabe como fazer isso sem esforço! O dia que eu estive lá ele nos agraciou com seus terrines maravilhosos, leves e com sabores e texturas marcantes. Em seguida provamos Ravioli de bacalhau com farofa de brioche e molho de champanhe, este eu quase comi ajoelhada, que leveza, que sinergia contagiante a combinação destes ingredientes. Um primor! E não paramos por aí, mal nos recompomos do prato anterior e quando eu mal percebi já estava devorando seu Cordeiro ao molho curry e couve frito. Tudo composto com equilíbrio e autenticidade de forma simples e lúdica.

Além das novidades diárias, os clássicos da casa continuam como opções fixas no cardápio, como a deliciosa Cavaquinha – cauda de cavaquinha grelhada, risoto de quinoa e beurre-blanc ao leite de coco – e o suculento Chateaubriand Rossini – filé mignon, purê de batata, escalope de foie-gras e lascas de trufa negra.

Para adoçar o paladar, opções como a Tarte MAM, criada especialmente para o aniversário do museu, as suaves Pavlovas de sabores variados, como de frutas vermelhas, a Pain Perdue, conhecida como a rabanada francesa, além da Entremet de Chocolate Belga 70%, e opções de Éclaires, como a clássica de baunilha e caramelo.

Encantada!

MAM – Museu de Arte Moderna – Av. Infante Dom Henrique, 85, Glória
(21) 2517-3129
Um detalhe importante! Aqui infelizmente só abre durante o almoço.

Oia

Um restaurante grego no Rio me causou muita curiosidade, porque desde que eu visitei a Grécia há alguns anos atrás me tornei uma grande fã desta gastronomia tão fresca, afetiva e calorosa. Visitar o Oia é fácil: ele tem uma das melhores localizações do meu tour, está em frente à Praça Nossa Senhora da Paz, no coração de Ipanema, e com um metrô bem à sua porta.

O lugar realmente foi inspirado nas ilhas gregas, o espaço tem buganvílias na porta e tons de azul se contrastam em harmonia com o branco do décor. Mesas claras e confortáveis, com flores que parecem terem sido colhidas na hora, alegram o ambiente acolhedor.

O menu gastronômico mediterrânico foi criado pelo chef Elia Schramm. De entrada sugiro Lâminas de Pargo com maçã verde, para começar bem de levinho, e se desejar continuar nesta leveza e frescor tem também a Melancia marinada com iogurte, especiarias e hortelã.

Pratos principais? Me encantei com o Polvo com purê de grão de bico, uma combinação estonteante ao palato, e para quem ama massa com frutos do mar, o Spaghetti com molho de tomate e lagostins será um pedido suave como a leveza do mar e que aquecerá sua alma.

Se você estiver afim de experimentar um pouquinho de tudo, no Oia você pode solicitar mini degustações. E outra dica maravilhosa: aqui não se cobra rolha, ou seja, seja bem-vindo com sua garrafa.

Quero voltar!

Rua Barão da Torre 340, loja A, Ipanema
(21) 3201-6529

Empório Jardim

Você quer começar bem e feliz o seu dia na Cidade Maravilhosa? Então vá direto a uma das três unidades do Empório Jardim. Eu conheci o de Ipanema, e quem me recebeu por lá foi uma das sócias, a Iona Rothstein. É ela quem cria os pães do Empório, e que me deu todas as dicas essenciais para uma primeira visita sem culpa.

Aqui é você quem monta o seu breakfest, brunch, lanchinho, ou seja lá como quiser chamar esta vivência. Tem muitos itens para escolher, mas vai na minha que vocês passarão de ano! Comece com o creme de abacate e o Parfait do Jardim, que é feito com iogurte grego.  Se você é um alucinado por ovos como eu, não dispense o Ovo Benedito, um brioche artesanal com molho hollandaise e fatias de salmão defumado, fiquei sem palavras! Além do visual bonito, brilhante, se criou uma pirâmide sobre o pão, onde cada ingrediente participava ativamente desta deliciosa receita.

Para quem quer algo apenas para comer com as mãos os croissants tradicionais e queridinhos da chef podem ser uma boa! A tapioca feita com queijo de minas também merece o nosso destaque.

A cada mordida do Croque Monsieur eu me sentia em Paris! Foi dificílimo sair daquela mesa sem a sensação de que deveria ter experimentado algo mais. E antes de ir embora passe na lojinha do Empório, por lá vai encontrar geleias, pães, cookies, manteigas e todos aquelas appetizers que a gente gosta de ter em casa.

Maravilhada!

Rua Maria Quitéria, 62 – Ipanema – Rio de Janeiro
(21) 2513-5151

Xian

Ouvia sempre com alguma desconfiança quando me diziam que este é o restaurante hoje do Rio que tem a melhor vista da cidade, até que coloquei meus pés ali dentro e SIM, tem a mais bela vista da cidade! E você pode provar bons drinks e uma boa carta de comidinhas asiáticas e sem frescura.

Dividido em Lounge, Restaurante e Club, é um lugar cosmopolita e democrático, e você pode visitá-lo assim que desembarcar na cidade, pois ele fica anexo ao aeroporto Santos Dumont. Aqui tem um time para encarar a demanda, Rod Werner para preparar os drinques, os chefs Daisuke Takao para comandar as receitas frias e Fernando Vaz para as criações quentes da culinária contemporânea com inspiração asiática. Para adoçar o paladar, Dianna Macedo, e Sonia Yamane para assinar a carta de saquês da casa.

De entrada, curti o Tartare de salmão com molho ponzo, e as Ostras crocantes também podem ser uma boa se teu paladar está desejando sabores do mar! A minha experiência do Xian continuou com o apetitoso Dumpling de Camarão, massa recheada de camarões, cozida no vapor e grelhada, o suculento Pop Pig, lombo de porco empanado com molho agridoce, abacaxi, tomate confit e lâminas de amêndoas, e o exótico Ussuzukuri Thai, finas fatias de salmão com lâminas de pepino, pimenta dedo de moça, leite de coco e brotos de coentro.  Os clássicos também estão garantidos como o Spicy Tuna Roll, atum levemente picante com ovas de massago e Harumaki de cogumelos e vegetais, com molho agridoce. E para adoçar a boca com afeto, o autoral Bolo Xian chega morno, recheado de brigadeiro meio amargo, finalizado com creme inglês e toque de cardamomo.

Que vista senhoras e senhores, que vista!

Av. Almirante Silvio de Noronha, 365, cobertura – Centro
(21) 2303-7080

 

 

1º Curso de Coquetelaria Cervejeira do Brasil será no RJ.

A arte de preparar coquetéis com cerveja é o tema do 1º Curso de Coquetelaria Cervejeira oferecido pela instituição carioca Marketing Cervejeiro, fundado pela sommelière de cervejas e bartender, Érica Barbosa. As aulas serão aos finais de semana do mês de novembro, nos dias 17, 18, 24 e 25, no Rio de Janeiro.

Durante as aulas do curso, os alunos vão conhecer receitas exclusivas e aprender a preparar coquetéis com cerveja artesanal, além de aprender técnicas de gestão de bares. O público-alvo são bartenders e beer sommeliers, mas qualquer pessoa interessada no tema pode se inscrever.

São Paulo (SP) receberá a segunda turma do Curso de Coquetelaria Cervejeira no início de 2019, em data a ser definida, e outras cidades podem entrar na lista.

Quem também ministrará este curso será a Jéssica Sanchez, uma das mixologistas mais premiadas do país. Jéssica é a bartender do ano pelo Comer & Beber 2018 e foi eleita a melhor bartender da América Latina, ficando no top 10 do mundo pela Bols Around the World 2014. Foi a primeira mulher a chefiar os bares do hotel Copacabana Palace. É sócia proprietária do Vizinho Gastrobar e sócia do Bar&Co, ambos no Rio de Janeiro

Serviço:

1º Curso de Coquetelaria Cervejeira
Datas
: 17,18, 24 e 25 de novembro (sábados e domingos)

Horário: 9h às 16h
Local: Birreria Escondido, CA, Rua Voluntários da Pátria, 53 – Botafogo, Rio de Janeiro – RJ (ao lado da estação de metrô Botafogo)
Informações e inscrições:

www.marketingcervejeiro.com.brcontato@marketingcervejeiro.com.br

 

1ª edição do Comida de Herança e Feira Na Rosenbaum acontece em setembro.

 

Nos dias 15 e 16 de setembro, acontece a primeira edição do “Comida de Herança e Feira Na Rosenbaum”, no Museu da Imigração do Estado de São Paulo, zona leste da cidade. O projeto é de Fawsia Borralho, desenvolvedora do Projeto Feira Sabor Nacional em parceria com Cris Rosenbaum, responsável pela curadoria e produção da Feira na Rosenbaum, em um espaço aberto e acessível.

Entre os expositores gastronômicos, estão os pequenos produtores, a Patricia Polato, especialista em charcutaria, apresenta sua paella com linguiça de frutos do mar, Elisa Adda, de origem russa, prepara o doce típico kütons doce na versão salgada cream cheese e dill; já o Refazenda da Mantiqueira, oferece uma tábua de queijo feitos à base de leite crú com pães veganos e pastas de nuts. Os pratos terão valores até R$35,00.

 

O espaço dedicado à arte recebe a exposição fotográfica com o tema Imigração, entre os fotógrafos estão Debby Gram, Paulo Mancine e Valerie Trabanco. Os visitantes também poderão participar dos talks “Comida Invisível – Desperdício e Descarte dos Alimentos”, “Raízes da Mantiqueira – A Rota Da Mantiqueira” e “Migraflix – Comida de refugiados”.

A Feira Na Rosenbaum tambem terá um espaço dedicado ao design, arte, perfumaria e objetos para casa com mais de 30 expositores como o Toco, que faz trabalhos com madeira; Paola Muller, design têxtil que traz pufes revestidos com tecidos exclusivos para essa edição; Greg Design, que trabalha personalização e criação de peças em porcelana, Udress que mostra uma nova forma de pensar uniformes e afins; e Zizi Carderari com bordados exclusivos para o evento.

Nos últimos 10 anos, foi constatado um aumento de 160% no número de imigrantes no Brasil. A marca da imigração se reflete principalmente na arquitetura e culinária, sendo esta última um dos itens que acelera a pequena economia, sem contar o desenvolvimento na agricultura e nas artes. Não há dúvidas que se deva aos imigrantes a implantação de novas e melhores técnicas agrícolas, a diversificação por nacionalidade das correntes migratórias e a presença de diversos povos assegura os valores básicos garantindo a riqueza e diversidade na própria cultura brasileira. Diante destes fatos, o Museu da Imigração foi escolhido como espaço para essa edição do projeto por ter um grande significado sobre o assunto.


Comida de Herança e Feira Na Rosenbaum – Serviço

Museu da Imigração

Rua Visconde de Parnaíba, 1316 – Brás

Dias: 15/16 de setembro de 2018

Horário: 10h às 20h

Entrada:R$5,00 (crianças até 5 anos e idosos acima de 65 anos não pagam)