Reencontros…..

Adoro as sutilezas do tempo, e definitivamente Vinícius de Moraes estava mega-certo quando escreveu em uma de suas músicas “a vida é a arte dos encontros, embora haja tantos desencontros pela vida”…

Uma vez li que os reencontros eram partículas do presente que desfaziam a saudade… Concordo, mas eu ainda acho que é mais do que isso. Lembranças gostosas passam vagarosamente pela memória e temos a possibilidade de recriar, no agora, o tempo passado. E para mim, em especial, isso é uma sensação rara, porque eu sou uma pessoa que raramente pensa no passado… Eu simplesmente vivo o presente e o que está por vir…

Mas reencontros, além de tudo, podem também ser uma incógnita… Porque em alguns casos o que conta são os desejos que permanecem vivos dentro de nós… E isso envolve fantasias, segredos… E vontades! Poucas emoções podem ser comparadas aos reencontros, porque é uma sensação que nos faz flutuar…

Esta semana tive uma experiência única que me fez acreditar literalmente em um mundo que dá muitas voltas e que certos reencontros são certeiros… E basta um pequeno espaço de tempo para que antigas sensações explodam no seu peito, para que lembranças sejam reavivadas, e para que você sinta o quanto a companhia do outro lhe faz bem…

Foi bom sentir o abraço, o beijo e as risadas soltas do reencontro… Com certeza, lembranças que durarão mais 20 anos (tempo que estava ausente da vida desta pessoa)… Senti-me muito feliz em recuperar o cheiro, a voz e a imagem de alguém que se encontrava quase esquecido…

Se eu acredito que por detrás disso há sinais? Hahahahaha… Of course!!! Para uma pessoa que, como eu, acredita piamente no destino e cegamente na linearidade dos acontecimentos, situações como estas só confirmam meus credos… E nem preciso ir à taróloga para ter esta certeza… risos

Finalizando, este reencontro de certa maneira me devolveu a paz… E desde quarta-feira me sinto em “Estado de Graça”, e por motivos simples: porque depois disso, estou novamente motivada a acreditar que o fluxo da vida está em constante mutação; que podemos vibrar por dentro a qualquer minuto; que não devemos nos distrair com os sinais que a vida nos dá quase que diariamente; porque cresceu minha vontade de me expressar, que no meu caso é escrever; porque é nesta escrita que irei registrar todas as sensações para que eu nunca deixe escapar tudo aquilo que senti! Só sinto por uma coisa: é uma pena que estes reencontros passem bem de leve e sejam muito breves… risos…

E até um próximo reencontro… Beijos!